Um negócio de família

A cada 10 anos, um novo marco histórico na vida desta empresa. Assim se podem resumir as três décadas de atividade da Lugrade, comemoradas no ano de 2017. E tudo começou com o azeite, parceiro indissociável de um bom bacalhau, que serviu de rampa de lançamento para este negócio de família. Sediada em Coimbra, a Lugrade persegue a missão de servir ao consumidor português, e não só, aquele que considera ser o melhor bacalhau do mundo. Os valores familiares que presidiram à sua fundação e que têm norteado o seu desenvolvimento são a sua maior garantia de qualidade, mas a Lugrade não esquece a inovação e um olhar atento às novas tendências de consumo. Em ano de 30.ª aniversário, foi inaugurada mais uma unidade de produção, desta feita dedicada ao bacalhau demolhado ultracongelado. Uma resposta às novas exigências do mercado, mas com a mesma qualidade de sempre, garante a empresa que, em três décadas, ultrapassou a barreira dos 20 milhões de euros de faturação, sempre com a gestão da família.

 

Azeite e bacalhau formam um par perfeito e, no caso da Lugrade, ainda mais. Isto porque foi o azeite que serviu de trampolim para o negócio do bacalhau, há 30 anos. Com ligações à indústria do azeite do Alentejo durante meia dúzia de anos, os pagamentos do que exportava para o norte da Europa eram muitas vezes feitos em bacalhau. O que despertou o “bichinho” e levou Alfredo Lucas, fundador da Lugrade, então regressado à terra que o viu nascer, considerar ter no bacalhau uma oportunidade de negócio.

E assim nasceu a Lugrade – Bacalhau de Coimbra, em 1987, materializando, também a nível empresarial, a parceria para vida estabelecida entre Alfredo Lucas e a esposa, ou o nome da empresa não resultasse da união dos apelidos de ambos, Lucas e Grade. Volvidas três décadas, a Lugrade orgulha-se de continuar a ser um negócio de família. A mãe, atual CEO da empresa, conta hoje com o contributo na gestão dos dois filhos, Joselito e Vítor Lucas, que a têm ajudado a manter vivo o sonho de Alfredo, ter o melhor bacalhau do mundo, como fica patente na assinatura da própria empresa.

Um marco a cada 10 anos 
Desde a sua fundação, que a estratégia de crescimento tem passado por conquistar mercado, apostando na comercialização de produtos de qualidade e dando a conhecer a marca Lugrade. Que se orgulha de, a cada 10 anos, atingir um novo marco na sua história.

Muito mudou, então, desde esse início, em 1987. Até 1998, a Lugrade exerceu apenas a atividade comercial, num pequeno armazém de 300 metros quadrados em Coimbra. Os primeiros anos foram de partilha dos ensinamentos de gerações. “Éramos uma empresa pequena que só comercializava bacalhau. Soubemos que os valores da tradição, confiança e qualidade viriam a ser os pilares base de toda a nossa atividade”, introduz Joselito Lucas, diretor comercial da empresa.

Da venda para a atividade industrial vão então 10 anos e assim se atingiu o primeiro marco na história da Lugrade. Na tentativa de ganhar maior espaço físico e estender a sua atividade à salga e secagem de bacalhau, em setembro de 1998 foram ocupadas novas instalações na periferia da cidade, mais concretamente no Parque Industrial de Taveiro. Uma nave industrial, com uma área coberta total de 1.800 metros quadrados, que veio permitir à Lugrade começar também a produzir o que vendia, diversificar o negócio e ampliar a faturação. Tanto que, em 2006, fruto desta dinâmica de crescimento, surgiu a necessidade de uma nova ampliação do espaço, por forma a dotar as instalações com uma plataforma logística de distribuição, com a Lugrade a procurar acompanhar e antecipar a evolução dos hábitos de consumo de bacalhau.

E que mudanças são estas? “Se antigamente as preferências recaíam somente para o bacalhau salgado seco, hoje o paradigma é ligeiramente diferente. As famílias têm cada vez menos tempo e isso resulta na escolha de produtos de fácil preparação. Essa alteração no comportamento de consumo fez com o que o bacalhau demolhado ultracongelado subisse a posição nos critérios de escolha”, analisa Joselito Lucas.

Por este mesmo motivo, em 2014, iniciou-se o projeto de nova ampliação da unidade já existente e criação de uma nova paraprodução própria de bacalhau demolhado ultracongelado, oficialmente inaugurada na cerimónia de comemoração dos 30 anos da Lugrade, em novembro passado, o que representa o fim de mais uma década e um novo marco na sua história.

Situada em Torre de Vilela, a 15 quilómetros da primeira fábrica, a nova unidade de produção aumenta a sua capacidade de forma significativa e, ao mesmo tempo, integra a produção de bacalhau demolhado ultracongelado. “Era o ‘timing’ certo para investir, o mercado estava a dar sinais de retoma e a necessidade de ampliar as nossas instalações era emergente”, confirma Joselito Lucas. Com uma área coberta de seis mil metros quadrados e uma capacidade frigorífica de 3.500 toneladas, esta unidade dedicada à salga, demolha e ultracongelação veio dotar a Lugrade de uma capacidade de produção mensal de 800 toneladas de escala e salga e de 200 toneladas de demolha e ultracongelação. Entre 2014 e 2017, o investimento nesta fábrica, que emprega 100 pessoas, ascendeu a 10 milhões de euros.

Oferta 
São, assim, as exigências do mercado que definem a base de atuação da Lugrade. Também no bacalhau demolhado ultracongelado, o produto é desenvolvido a partir dos melhores lotes de bacalhau com um know-how transversal a toda a organização. Mas isso não significa que o bacalhau salgado seco fique relegado para segundo plano. “Acreditamos que, acima de tudo, o futuro está na oferta de um produto de elevada qualidade. O bacalhau salgado seco sempre foi, e será, uma referência no consumo. Se os hábitos de consumo estão a recair sobre o demolhado, a Lugrade só tem de oferecer um produto com a qualidade e referência do nosso bacalhau salgado seco”.

Onde o Cura Vintage é a referência maior. Lançado em 2016, regressou no ano passado e, na opinião de Joselito Lucas, foi o “bacalhau embaixador à mesa este Natal”. Produzido de acordo com a tradição portuguesa, a Lugrade tem curso um processo para se tornar no primeiro bacalhau certificado de cura tradicional portuguesa.

A viagem deste bacalhau começou em março de 2016, quando os exemplares foram capturados a bordo do navio MARON-GK522 a 22 milhas da Baía de Keflavik, na Islândia. Na primeira semana de novembro, este bacalhau foi embalado no interior de sacos de serapilheira. A edição de 2017 foi limitada a 4.100 exemplares. “Representará na íntegra todo o sabor de gerações, assim como a tradição secular das famílias portuguesas desta época. Em 2016, foi um sucesso, o que nos criou a necessidade de aumentar o número de peixes a produzir para o ano de 2017”.

O bacalhau Lugrade Cura Vintage foi acompanhado pel’ O Fiel, também apresentado nas comemorações do 30.ª aniversário, um dispositivo que promete ser um aliado na demolha do bacalhau salgado seco, ao ter a capacidade de monitorizar, controlar e acompanhar todo processo, e que permitirá a conquista de novos mercados, que anteriormente constituíam barreiras pela dificuldade na demolha. O projeto demorou sensivelmente dois anos, desde a apresentação da ideia até à conceção do produto final. Através de uma interface simples e intuitiva, o dispositivo permite a monitorização da temperatura da água, a temporização do tempo total entre mudas de água e acompanhamento da sua evolução, a medição da concentração de sal na água e, simultaneamente, a parametrização do
 teor de sal pretendido nas postas. O Fiel pretende, assim, alterar os hábitos de consumo do bacalhau seco e provar que tradição e a inovação não são contraditórias. “Pretendemos que O Fiel seja o ‘descomplicador’ da demolha para os mercados que têm ‘afinidade’ com o nosso bacalhau, mas que, por força dos hábitos culturais e gastronómicos, não fazem o processo de demolha de forma correta. Acreditamos que a inovação e a tradição estão sempre ligadas pelo nosso ‘fiel amigo’, quer seja nos pratos de bacalhau ou em dispositivos que ajudam na sua preparação”.

Estão, assim, lançadas as bases para que, dentro de 10 anos, a Lugrade possa alcançar, como tem vindo a fazer até aqui, mais um marco na sua história. Em três décadas, foi ultrapassada a barreira dos 20 milhões de euros de faturação. “A capacidade de produção aumentou de forma considerável, assim como melhorou a qualidade do processo, permitindo a criação de dezenas de novos postos de trabalho. Mais produção e melhor produto”, acrescenta Joselito Lucas, em jeito de balanço.

E para os próximos 30, qual a visão que têm? “Os valores familiares continuarão a fazer parte do ADN da empresa. É algo de que não prescindimos. A nossa visão continuará a ser posicionar a Lugrade como marca de referência no sector. E, claro, esse crescimento será sustentado pelas raízes da nossa família que, por sua vez, serão constituídas no ADN da nossa qualidade”.

Fonte: Grande Consumo