João Domingues, Nuno Dias e João Salavessa são alguns dos produtores nacionais que marcam presença na feira Green Week, em Berlim, com o objetivo de internacionalizar os seus produtos e conquistar o consumidor alemão.

“É o quarto ano que participamos nesta feira. Cada vez mais o nosso produto é reconhecido em Berlim”, disse à Lusa João Domingues, responsável pelos azeites Fio da Beira.

De acordo com o empresário de Castelo Branco, o segredo da marca são as azeitonas produzidas em regadio, numa exploração própria.

“Estamos no mercado europeu, já chegámos ao Brasil e, neste momento, estamos em fortes negociações para estarmos nos Estados Unidos, Canadá e Miami”, referiu.

Segundo João Domingues, apesar do consumidor alemão não saber identificar onde fica Portugal, reconhece a qualidade do produto.

“O que me agrada mais é que estou aqui atrás do balcão e vejo caras conhecidas. Já compram o produto sem provar e isso é um sinal de garantia. Muitos deles nem sabem onde Portugal fica, por isso, eu digo Cristiano Ronaldo para eles identificarem”, notou.

Opinião partilhada por Nuno Dias, da Beira Salgados, que destaca que, mais do que promover um produto, o objetivo é representar Portugal “da melhor forma”.

“O publico que vem a esta feira quer conhecer novas gastronomias e passear. O nosso objetivo é representar Portugal da melhor forma, com os produtos de melhor qualidade”, sublinhou.

Conforme indica o produtor de Idanha-a-Nova, cada vez mais, o mercado alemão dá maior destaque aos produtos portugueses.

“É um produto diferente daquilo a que eles estão habituados e eles dizem-nos sempre que é muito saboroso”, acrescentou.

Por sua vez, João Salavessa que está na Green Week (Semana Verde) a promover o vinho Raya, sublinha que o mercado alemão está atento ao vinho português há vários anos.

“Participamos nesta feira há cinco anos e temo-nos dado bem com a vinda à Green Week. Desde o inicio que os alemães gostaram muito do nosso vinho. Gostam da maneira como fazemos o vinho e do gosto que ele tem. Já vendemos bastante vinho para a Alemanha, em parte, graças à nossa participação nesta feira”, disse.

De acordo com o empresário, a participação na mostra internacional permite comercializar, por dia, 500 a 600 garrafas, a 12 euros cada.

“Aqui na feira vendemos o vinho ao copo ou as pessoas deixam o nome e o endereço e nós enviamos as garrafas para casa”, explicou.

Apesar dos resultados que tem conseguido alcançar, João Salavessa garante que quer “continuar a internacionalizar o Raya e aumentar as vendas na Alemanha.

Entre as presenças portuguesas na mostra internacional, encontram-se a Associação Nacional de Produtores de Pera Rocha, o Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Alentejo e a produtora de queijos Damar.

Pela quinta vez consecutiva, Portugal conta com uma participação conjunta na Green Week, através da InovCluster, com o objetivo de promover o contacto com os agentes económicos do setor agroalimentar.

Em declarações à Lusa, a presidente da InovCluster garante que, passados cinco anos desde a primeira participação portuguesa na mostra internacional, houve uma “revolução” na forma como os expositores e produtores se apresentam.

“Recordo-me da primeira edição, as empresas vinham preparadas para entrar num mercado profissional. As empresas de presunto traziam nacos de presunto. As pessoas passavam e não compravam. Depois começamos a ver o modelo que deveria ser aplicado e as empresas começaram a vender, por exemplo, tapas de presunto e sandes de queijo”, explicou Cláudia Domingues Soares.

De acordo com a responsável, esta feira “é uma das muitas ações” levadas a cabo para promover os produtos nacionais, sublinhando que a Green Week é uma feira de consumidor e, por isso, o objetivo é dar conhecer os produtos “de excelência” que Portugal tem.

“O consumidor tem reagido com uma dose de paixão. Há uma relação muito mais do que comprador e vendedor que está associada à qualidade, excelência e ao lado humano e afectuoso que caracteriza os portugueses”, concluiu.

No total, estão presentes na Green Week mais de mil expositores de 67 países e são esperados mais de 400 mil visitantes.

A participação portuguesa insere-se no Projeto Conjunto de Internacionalização 2016-2018, financiado pelo COMPETE 2020.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) referentes a 2015, entre os principais produtos exportados de Portugal para o mercado alemão destacam-se as bebidas, líquidos alcoólicos e vinagres (48,1 milhões de euros), frutas (34,9 milhões de euros) e preparações de produtos hortícolas (29,8 milhões de euros).

—-

Notícia de: dnotícias.pt